PROGRAMAÇÃO
PROGRAMAÇÃO
Notícias
Curtas cearenses com carreira em festivais seguem com exibição gratuita no canal do Dragão até o fim deste mês
"Boca de Loba", "Cartuchos de Super Nintendo em Anéis de Saturno" e "Superdance" integram o "Sessão Circular", novo programa de difusão do Cinema do Dragão que mantém a primeira edição até 31 de maio.
24/05/21 às 10h16

filme Boca de Loba, de Bárbara Cabeça.

 

     Equipamento do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura vinculado à Secretaria da Cultura do Estado do Ceará e gerido pelo Instituto Dragão do Mar, o Cinema do Dragão mantém em cartaz, até o próximo 31 de maio, o programa #1 do Sessão Circular, novo formato de difusão cinematográfica. Estreado no dia 19 de maio, o programa exibe, por tempo limitado,  no YouTube do Dragão (youtube.com/dragaodomarcentro), curtas brasileiros apresentados no circuito de festivais, agrupados em sessões temáticas. 

     Os curtas-metragens cearenses "Boca de Loba", "Cartuchos de Super Nintendo em Anéis de Saturno" e "Superdance" compõem o Programa #1, intitulado "Corpos à Noite", por atravessarem, cada qual à sua maneira, sombras típicas da paisagem noturna de Fortaleza. Assista na playlist:

 


"Corpos à Noite" por Pedro Azevedo
 

         Foi com uma certa surpresa - ao revisitar os três filmes que compõem essa primeira sessão do projeto "Cinema do Dragão apresenta curtas brasileiros" - que percebi que Boca de loba (de Bárbara Cabeça) e Superdance (de Pedro Henrique) se desenrolam também em algumas poucas sequências diurnas. A memória que guardava desses filmes, somados a Cartuchos de super nintendo em anéis de Saturno (de Leon Reis), era sempre rodeada por um fio espesso de sombras típicas da paisagem noturna de Fortaleza.

         Esse projeto não busca oferecer uma visão panorâmica da produção de curtas-metragens cearenses e brasileiros contemporâneos, tampouco se apresenta como uma janela para lançamento de títulos inéditos. A ideia dessas sessões é avizinhar um conjunto de filmes distintos para identificar neles alguns pontos de força que não só atravessam como ultrapassam as bordas das suas narrativas. Por que faz sentido, então, exibir esses três curtas numa mesma sessão? Essa pequena apresentação serve tão e somente como um ponto de partida (e de interrogação) para diálogos possíveis entre os filmes, os realizadores e os espectadores. Aqui, vale lembrar sempre, é o texto e a sessão que estão a serviço dos filmes, não o contrário.

         "Corpos à noite", então, porque a parte mais misteriosa da ação desses três curtas se desenrola no terreno da cidade à noite. A cidade é Fortaleza e a reconhecemos num movimento  que vai e volta, vertiginosamente, da periferia ao centro, por meio de grandes planos gerais, panorâmicas, ou através da cartografia bidimensional do mapa urbano da cidade, cindido por fronteiras que demarcam os limites das regionais e dos bairros. O ato da perambulação no espaço da rua parece estar no cerne dos filmes, e eles o fazem com um certo sentido de urgência, reafirmando o processo de emancipação dos corpos dissidentes enquanto negociam o seu lugar nos espaços comuns o tempo todo. As violências históricas que subjazem a simples presença deles nos espaços-comuns não passam desapercebidas. Há toda uma outra lógica de ocupação da cidade que se descortina quando anoitece. 

         Esses corpos que rasgam a paisagem urbana da noite, então, irão constituir um regime de imagens que não estão tão interessadas em emular a transparência de uma narrativa tradicionalmente construída. Pelo contrário, elas apostam na opacidade do registro, na reimaginação da palavra. A palavra falada (o verbo!), aliás, que em vários momentos delira em arroubos de verborragia poética, opera também como mediador de sensações ao lado da imagem e da música, imiscuindo-se na pele e no ouvido do espectador de forma que, paradoxalmente, atrai e repele, engaja e aturde.

         As sequências diurnas também estão lá, e servem inclusive como transições demarcadas para o misterioso porvir da noite. Em Superdance, há uma forte sensação/incômodo alienígena que atravessa o fiapo da narrativa delineada pelos diálogos entre o grupo de amigos. Cartuchos de super nintendo em anéis de Saturno abre-se para a ficção especulativa, fabulando a partir da experiência do corpo negro subrepresentado ao longo da história do cinema, como faz questão de reafirmar a partir da recontextualização crítica das imagens de arquivo. Boca de loba, por sua vez, apresenta um poderoso levante de emancipação da mulher LGBTQIA+ num espaço urbano carregado de símbolos de um patriarcado decadente.

         Em artigo recente publicado na revista Artforum, Paul B. Preciado fala das estátuas que  caíram no ano de 2020. Monumentos de ditadores, comerciantes de escravos, colonizadores, enfim. "Por que toda a comoção sobre alguns pedaços de metal e pedra? O que é uma estátua num espaço denominado 'público' e o que cai junto dela quando ela finalmente tomba?", Preciado pergunta diretamente ao leitor. Boca de Loba exprime esse desejo de reescrita da história a partir da destituição dos símbolos do patriarcado decadente que habitam espaços-chave da cidade, os amarrando com uma corda e os conduzindo ao tombo. Os outros dois filmes  dessa sessão também apresentam caminhos possíveis para a pergunta de Preciado. Vivemos num momento decisivo de recondução da história, e ainda que o cinema não nos dê as respostas, a partir dele poderemos reformular as perguntas que nos moverão pra frente.

 

Serviço: Cinema do Dragão apresenta "Sessão Circular" - Programa #1 - "Corpos à Noite"
Período: Até 31 de maio de 2021
Local: YouTube do Dragão do Mar (youtube.com/dragaodomarcentro)
Programação gratuita

PARCEIROS